Ir para o Topo

Arpina Digital

COVID-19 e o e-commerce de hoje e amanhã

Mediante aos acontecimentos das últimas semanas no país, estamos enfrentando uma forte ameaça para a população e para o mercado. Aqui você verá impactos, como o seu e-commerce precisa adaptar-se à pandemia e o que vira solução a uma sociedade que está encaixando-se a grandes mudanças de hábitos. 

Impactos para o e-commerce a curto prazo

No curto prazo, o e-commerce é uma forte opção para as pessoas que estão em quarentena. A recomendação é que se fique em casa. Locais muito movimentados, shoppings, restaurantes e academias têm sido os primeiros a fecharem as portas por decretos governamentais. A cidade de São Paulo e o Estado de Santa Catarina já decretaram mais de sete dias de comércios não essenciais fechados. 

Assim, deliveries e empresas que já possuem um braço digital conseguem continuar a funcionar, se destacando de imediato por continuar atendendo.

E o nosso marketing digital… cresce!

De acordo com um estudo da plataforma The Drum feito com agências da China e Pacífico Asiático, há uma perspectiva de crescimento em mais de 17% para a publicidade em comércio eletrônico e mais de 22% em mídias sociais. Nesse sentido, 14% das marcas consultadas afirmaram estar adequando o orçamento de anúncios do offline para o online a partir dessa mudança de rotina, em que as pessoas estão passando mais tempo em casa.

Isso faz bastante sentido, levando em consideração as mudanças de comportamento em relação ao digital. A partir das mudanças ocorridas por conta do COVID-19, 95% das pessoas relatam estar investindo mais tempo em atividades de consumo de mídia de acordo com um estudo da Global Web Index que também mostra um aumento generalizado no tempo gasto com o uso de smartphones (cerca de 70% em todo o mundo).

Impactos para o e-commerce a longo prazo

O futuro pós-pandemia é promissor para quem tem e-commerce. Uma pesquisa da NZN Intelligence com mais de 1,7 mil pessoas aponta que 71% delas pretende aumentar o volume de compras online após o período mais crítico. As medidas de contingenciamento estão expondo muito mais consumidores a publicidades digitais. Não apenas por isso, mas também pela descoberta da conveniência e pela busca por preços menores, os consumidores tendem a migrar para o digital.

Por isso, é hora de rever estratégias. Se os impactos a curto prazo estão ligados a falta de estoque e atrasos na entrega, o futuro mais distante certamente não será o mesmo projetado há poucas semanas. Repense: onde sua marca se encaixa em uma realidade de reconstrução social e econômica? Por que ela será útil para quem deseja retomar a normalidade na rotina?

Seu planejamento para este ano deve ser refeito, e metas futuras devem ser revistas para se enquadrarem à nova realidade. Quem trabalha com importações de matérias-primas ou de produtos pode esperar uma alta nos preços. Marcas que vendem produtos não essenciais têm que tomar cuidado para continuar atraentes diante de hábitos de consumo mais moderados. 

Mesmo diante de tantos desafios, é possível repensar inclusive rotinas internas. A pandemia vai perder força em algum momento, mas os bons hábitos que ela nos forçou a ter continuam. Sua empresa pode continuar a ter pontos de álcool gel distribuídos pelos ambientes, por exemplo, e isso pode fazer parte da sua comunicação. Marcas socioambientalmente responsáveis são bem-vistas. Pequenas ações não custam muito, mas são essenciais.

Sem contato físico, migramos ao digital

Muitas empresas estão migrando para o digital para não perder o contato e a fidelidade de seu público e tentar conquistar novos clientes em meio à crise. Já é possível, por exemplo, fazer as compras do mercado em e-commerces, pedir para farmácias entregarem em casa por aplicativos, academias que estão lançando vídeos de treinos para se fazer em casa, e restaurantes e apps de delivery que estão optando por uma entrega sem contato físico, com a entrega na portaria ou na porta de casa. 

Mas, como manter a operação saudável durante esse período?

É fundamental estar atento a todas as notícias sobre como a pandemia está afetando o mercado. O site E-commerce Brasil tem feito uma série de artigos sobre o impacto neste setor. Acompanhe aqui! 

Abaixo, separamos dicas práticas do que você precisa fazer agora:

  1. Tenha uma diversidade de fornecedores por produtos e categorias. Fique atento à disponibilidade do seu estoque;
  2. Comunique seus clientes sobre prováveis atrasos ou incapacidade de entrega por conta de pausas dos Correios ou de transportadoras;
  3. Gere confiança no e-commerce e capte novos clientes;
  4. Tenha atenção e sensibilidade no conteúdo divulgado online. Não cause sentimentos de escassez para vender mais, nem tire proveito do isolamento social. Não se pode esquecer que esta é uma questão humanitária;
  5. Adapte sua equipe ao trabalho remoto. Confira dicas aqui;
  6. Mantenha o otimismo e direcione sua equipe para novas estratégias;
  7. Fique de olho nos aprendizados. Isso será útil para quando esta crise passar.

Dica: Diversas lojas virtuais estão usando a estratégia do Frete Grátis para atrair consumidores nesse período em que se começa a falar em recessão. As vendas ainda oscilam, mas não identificamos uma recessão de modo geral no mercado online.

Dica extra: o site Gestão Quatro Ponto Zero criou o Plano De Ação: Empresários vs COVID-19. Lá você encontra um panorama geral, as principais situações de deve pensar e ações a se tomar.

Ufa! Agora calma e respira.

Ainda assim, é normal surgirem dúvidas sobre procedimentos mais adequados, quais são os próximos passos e o que outras lojas virtuais tem feito. Pensando nisso, criamos um documento que é atualizado diariamente para informá-los sobre os movimentos do mercado de e-commerce e o impacto do COVID-19 nos negócios. 

Criamos uma Lista de Transmissão para você receber no WhatsApp as últimas atualizações deste documento, para se cadastrar mande “Ecommerce Covid/19” para o número 47 99947-3202 ou clique aqui.

E aí, como está encarando esse desafio? Se precisar de ajuda, pode nos contatar. Temos expertise para lhe guiar por este momento. 

Acompanhe mais informações em nosso Instagram e LinkedIn.

Fontes:

Ecommerce Brasil Link 1Link 2Link 3Link 4

Consumidor Moderno

Ecommerce na Prática

Marketing Gland

Híbrido

The Drum

Open chat