Receba por email

Assine nossa newsletter e receba em primeira mão as novidades do blog.

26 de Janeiro de 2017

As principais mudanças tecnológicas para os próximos anos

As mudanças vêm ocorrendo gradualmente, já vimos que a tecnologia vem evoluindo e se tornando essencial em nossas vidas.
Mas, as grandes mudanças ainda estão por vir, prepare-se para que a realidade aumentada invada seu dia a dia, o declínio dos apps móveis, e uma grande mudança na navegação na web para a interação com a internet por voz.

Em 2020 estima-se que 100 milhões de usuários irão comprar em ambientes com realidade aumentada

O uso de dispositivos móveis já está fixado na nova cultura, somos dependentes das novas tecnologias para facilitar e agilizar os processos, conforme isso diminuímos a distância entre o mundo real e o virtual, onde as grandes empresas já veem a necessidade de melhorar estes aplicativos para as experiências de compras.

Utilizar aplicativos de realidade aumentada para elevar o nível das informações digitais como textos, imagens, vídeos e áudios para o topo de importância do mundo físico representa um grande passo em direção a um engajamento mais profundo, tanto em lojas físicas quanto online.

Imagine a seguinte situação, você entra em um supermercado e todos os itens estarão com informações flutuando na frente deles, informações de produto, tabela nutricional.

Agora, imagine isso tudo em uma loja de roupas, sem precisar mais provar as pecinhas para ver se elas ficam bem ou não, AMEI <3

Em quatro anos, 30% das navegações na web serão feitas sem o uso de uma tela, em outras palavras será tudo por voz, confiando assim ainda mais em assistentes virtuais como a Siri.

As novas tecnologias centradas em áudio, como Google Home e Echo, da Amazon, acessam informações baseadas em diálogos onipresentes, criando novas plataformas com base em “interações por voz”. Ao eliminar a necessidade de uso de mãos e olhos para navegação, as interações vocais aumentam a utilidade dos acessos à internet em situações como dirigir, cozinhar, caminhar, socializar, se exercitar e operar máquinas.

Em 2019, grandes marcas irão abandonar seus aplicativos móveis

As marcas não estão tendo o resultado esperado de seus aplicativos principalmente na área de marketing, sendo que o gasto com aplicativos é muito maior do que o retorno.

Em vez de aplicativos móveis as empresas irão investir em “Progressive web apps”
Opa o que é isso? Calma, já vou explicar, vou colocar um conceito rápido:

O conceito de Progressive Web App (aplicativo progressivo para a web), no entanto, é um pouco diferente. Ele começa como uma simples aba no Chrome e se torna “progressivamente mais app” à medida em que você engaja e interage com ele. Até chegar ao ponto onde basta você adicionar o Web App à sua página inicial e pronto: ele passa a adquirir funções que antes eram exclusivas de aplicativos nativos: geolocalização, notificações, uso offline, etc.
Fonte

Quais suas vantagens?

A vantagem para o usuário não é ter que instalar vários aplicativos usados apenas uma vez na vida. Este tipo de aplicativo, utiliza os navegadores para entregar uma experiência tão boa quanto a dos aplicativos inativos, se for aplicado com a tecnologia certa sem dúvidas entrará no gosto dos usuários.

O uso de dispositivos fitness irá aumentar, até 2020 os colaboradores de uma empresa poderão cortar seus custos em 40% usando um monitorador de preparo físico. As empresas irão nomear líderes de condicionamento físico para trabalharem de perto com o setor de RH para programas de bem-estar.
Os prestadores de serviços de saúde podem salvar vidas e diminuir custos atuando com base nos dados obtidos pelo dispositivo que mostra os riscos para a saúde do usuário.

O que já está sendo inserido no nosso dia a dia

Vamos agora falar um pouquinho sobre internet das coisas, ela irá reduzir os custos em pelo menos um trilhão, sensores serão utilizados para serviços como prever quando a manutenção de hardware será necessária, por exemplo.

Uma das promessas é reduzir o custo com manutenção e bens de consumo. O desafio está em oferecer uma implementação segura  que possa fornecer uma economia em uma ou duas décadas, sem custos administrativos que absorvam qualquer economia feita. Isso poderia ser um sistema de monitoramento de baixo custo baseado em sensores simples que reportam características definidas aos servidores analíticos.

Brasileiro na equipe do facebook

Novidade lançada hoje, o brasileiro Hugo Barra é o novo diretor de realidade virtual anunciando pelo próprio Mark Zuckerberg após sua saída da chinesa Xiaomi, onde ficou por 3 anos e meio.
Em depoimento Mark ainda fala:

“Conheço o Hugo há bastante tempo, desde quando ele ajudou a desenvolver o Android até mais recentemente, quando ele trabalhou para a Xiaomi, em Pequim, ajudando a levar aparelhos inovadores para milhões de pessoas”, afirmou Zuckerberg ao anunciar a entrada de Barra para a empresa.

“O Hugo compartilha da minha visão de que a realidade virtual e a realidade aumentada serão as próximas grandes plataformas da computação. Elas nos permitirão experimentar coisas completamente novas e ser mais criativos do que nunca. O Hugo vai ajudar a construir esse futuro, e estou ansioso em ter ele em nossa equipe.”  Que orgulho!

A tecnologia está ficando mais barata e fácil de usar. Além disso, esses recursos computacionais trazem vantagens competitivas, o que desperta o interesse no uso. Esses estímulos, somados a globalização econômica está ajudando a moldar o futuro dos negócios.

E como diria Stephen Covey:

“A tecnologia irá reinventar o negócio, mas as relações humanas continuarão a ser a chave para o sucesso.”

😉

Fonte dos dados

 

 

 

 

 

Tanara Fernandes

[email protected]

As principais mudanças tecnológicas para os próximos anos
Vote para esse post!

Autor

Tanara Fernandes

Compartilhe

Facebook Twitter linkedin